Mostrar 650 resultados

Descrição arquivística
Com objeto digital Documentação relativa a Atividade-Fim
Previsualizar a impressão Hierarchy Ver:

Artigos de jornal da Gazeta de Madrid de 2 de outubro de 1807 até 11 de dezembro de 1807 transcrevendo notícias sobre a situação de Lisboa, Londres, Paris e Madri diante das Guerras Napoleônicas. Aborda a vinda da Família Imperial Portuguesa para o Brasil e a invasão francesa em Portugal.

Com a ascensão de Napoleão Bonaparte (1769-1821) ao governo francês, iniciou no continente europeu conflitos armados desencadeados pelas tensões entre ideias revolucionárias e as tradicionais monarquias absolutistas. Neste contexto, Napoleão Bonaparte forma um exército cuja função era destituir os governantes contrário as suas ideias e interesses. A casa Real Portuguesa, por exemplo, acaba se dirigindo ao Brasil em 1808 devido a eminente invasão do exército napoleônico.

Não consta

Artigo de jornal do Correio de Montevidéu enviado por Francisco Javier de Elío (1767-1822), governador interino da praça de Montevidéu, para Santiago de Liniers (1753-1810) com os testemunhos captados por Diego Ponce de León de dois indivíduos, Gregorio de Hombre e Juan Dupeire, relatando sobre como foi a chegada da Família Real Portuguesa.

Francisco Javier de Elío (1767-1822), militar espanhol, exerceu os cargos de governador de Montevidéu e foi o último Vice-Rei das Províncias Unidas do Rio da Prata.

Santiago de Liniers (1753-1810), conde de Buenos Aires, nasceu em Niort, na França, porém dedicou a sua carreira militar na região do Rio da Prata. Foi uma personalidade de grande importância para Buenos Aires no contexto das invasões inglesas, e por esse motivo, foi nomeado como Vice-Rei da Região do Rio da Prata. Grande defensor do regime monarquista, diante do contexto de Independência da Argentina foi executado em 1810 por defender a Coroa Espanhola.

Francisco Xavier Elio (1767-1822)

Artigo de jornal da Gazeta Extraordinária de Madrid de 30 de setembro de 1809 contendo a tradução de um artigo da Gazeta Extraordinária de Londres que expõe a derrota das forças britânicas na tentativa de ataque a Buenos Aires, transcrevendo o relato do tenente general John Whitelocke (1757-1833).

John Whitelocke (1757-1833), era um militar inglês que comandou as invasões britânicas a Buenos Aires em 1807. Após fracassar na expedição que tinha por objetivo invadir a região do Rio da Prata, Whitelocke foi condenado pela corte marcial britânica e foi destituído de todas as funções militares.

John Whitelocke (1757-1833)

Artigo da Gazeta de Buenos Aires de 7 de março de 1818 que aborda a chegada de uma comissão diplomática dos Estados Unidos na região das Províncias Unidas do Rio da Prata.

Ao final do século XVIII e início do século XIX, diversos fatores ajudaram a desencadear o processo de Independência dos países da América Espanhola. Com os desdobramentos das Guerras Napoleônicas, a Espanha acabou perdendo a soberania frente suas colônias. Simultaneamente, intelectuais latino-americanos, influenciados por ideias iluministas e pela independência dos Estados Unidos da América (1776), começaram uma série de movimentações buscando dar aos povos mais liberdade e igualdade e a partir de 1810 começaram a eclodir revoluções em toda a América Hispânica buscando a liberdade dos seus países.

Não consta.

Artigo do jornal “El censor” de 12 de março de 1818 abordando sobre os movimentos de independência nos países Sul Americanos e criticando quem se opõe aos pensamentos republicanos desses países.

Ao final do século XVIII e início do século XIX, diversos fatores ajudaram a desencadear o processo de Independência dos países da América Espanhola. Com os desdobramentos das Guerras Napoleônicas, a Espanha acabou perdendo a soberania frente suas colônias. Simultaneamente, intelectuais latino-americanos, influenciados por ideias iluministas e pela independência dos Estados Unidos da América (1776), começaram uma série de movimentações buscando dar aos povos mais liberdade e igualdade e a partir de 1810 começaram a eclodir revoluções em toda a América Hispânica buscando a liberdade dos seus países.

Não consta

Artigos de jornal sobre a Jornada de Maipu de abril de 1808 contendo a transcrição de uma parte de um ofício enviado por José de San Martin (1778-1850) ao Governo Supremo das Províncias Unidas do Rio da Prata sobre a Batalha de Maipu.

José de San Martín (1778-1850), conhecido como Libertador da América, Santo da Espada e Pai da Pátria, foi uma figura de extrema importância para a independência dos países Sul Americanos. General argentino, participou das Guerras de Independência da América Espanhola e desempenhou o cargo de 1º presidente do Peru.

José de San Martin (1778-1850)

Artigo de jornal do Gazeta de Buenos Aires do dia 8 de abril de 1818 contendo artigo com o comunicado de 6 de abril de 1818 de Juan Martín de Pueyrredón (1777-1850), Diretor Supremo das Províncias do Rio da Prata, sobre a atividade pecuarista na região. Contém um artigo sobre a Batalha de Maipu com o extrato do ofício enviado por Tobírio de Luzuriaga de 27 de março de 1818 sobre o estado das forças armadas na região durante a batalha.

Juan Martín de Pueyrredón (1777-1850), militar e político argentino que atuou na tentativa de ocupação britânica em Buenos Aires em 1806 e pelo seu excelente desempenho foi convidado a ser representante de Buenos Aires na Espanha. De volta a Buenos Aires, participou das revoluções a favor da independência das províncias do Rio da Prata. Em 1815 exerceu o cargo de diretor supremo das Províncias Unidas do Rio da Prata.

Juan Martín de Pueyrredón (1777-1850)

Artigo de jornal da Gazeta de Buenos Aires de 22 de abril de 1818 sobre a Batalha de Maipu, contendo um ofício de José de San Martín (1778-1850) para o Governo Supremo das Províncias Unidas do Rio da Prata.

José de San Martín (1778-1850), conhecido como Libertador da América, Santo da Espada e Pai da Pátria, foi uma figura de extrema importância para a independência dos países Sul Americanos. General argentino, participou das Guerras de Independência da América Espanhola e desempenhou o cargo de 1º presidente do Peru.

José de San Martín (1778-1850)

Artigo de Jornal da Gazeta de Buenos Aires de 8 de abril de 1818 contendo uma transcrição da declaração do Departamento de Guerra rubricada por Matías de Irigoyen (1781-1839) de 6 de julho de 1818 congratulando os esforços das forças militares na Batalha de Maipu. Contém também, um artigo retirado da Gazeta do Chile do dia 13 de junho com a transcrição de um decreto do dia 10 de maio de 1818 que também congratula os esforços e ações das forças armadas na Batalha de Maipu.

Matías De Irigoyen (1781-1839), militar argentino que durante sua infância foi levado para a Espanha. Enquanto residia nos domínios espanhóis, em 1805, participou na batalha de Trafalgar, na qual foi ferido. Em 1809, voltou ao Rio da Prata com o posto Alférez de Navio, dirigindo-se ao posto Río de la Plata, participando do Cabildo inaugurado em maio de 1810, em cuja assembleia votou contra o vice-rei Cisneros. De 1817 a 1820 foi Ministro da Guerra e da Marinha do Diretor Supremo Pueyrredón. Posteriormente, a Junta revolucionária confiou a ele uma missão diplomática na Inglaterra, sendo o primeiro embaixador nomeado pelo governo revolucionário na Europa; Depois de passar pelo Rio de Janeiro, onde se encontrou com o embaixador inglês, Lord Strangford, seguiu para Londres onde teve reuniões com o ministro Marquês de Wellesley, nas quais solicitou, em vão, ajuda britânica para o governo autônomo de Buenos Aires. Mais tarde, em 1812, como tenente-coronel da artilharia voadora, participou da campanha de Montevidéu. Promovido a Coronel, após a batalha de Cerrito, continuou a luta contra os Montoneros de Artigas, comandando uma esquadra que atuava nos rios costeiros. Em abril de 1815, junto com José de San Martín e Manuel de Sarratea, ingressou no efêmero Terceiro Triunvirato, após a derrubada do Diretor Supremo Carlos María de Alvear. No entanto, a nomeação de Ignacio Álvarez Thomas como Diretor Supremo pôs fim a este Triunvirato. Em 1817, o diretor Pueyrredón o nomeou ministro da Guerra. Mais tarde exerce as funções de Comandante Geral da Marinha. De então a 1820 ele ocupou o cargo de ministro da Guerra e Marinha das Províncias Unidas do Rio da Prata, durante os governos de Juan Martín de Pueyrredón, José Rondeau e Juan Pedro Aguirre. Após a Batalha de Cepeda em fevereiro de 1820, foi nomeado governador intendente de Buenos Aires. Após a dissolução do Diretório e a formação dos Estados Provinciais, Irigoyen foi eleito governador provisório da nova província de Buenos Aires até a ascensão de Manuel de Sarratea, em fevereiro de 1820.

Não consta

Artigo de jornal da Gazeta de Buenos Aires de 14 de outubro de 1818 contendo sentenças sobre Cornelio de Saavedra (1759-1829) e o recurso pedido por ele sobre a causa referente ao seu exílio. Contém também a cópia de um Decreto do Departamento da Guerra sobre o Brigadeiro Martin Rodriguez e um discurso do Vice-Rei de Lima, Joaquín de La Pezuela (1761-1830), do dia 4 de maio de 1818.

Cornelio de Saavedra (1759-1829) foi um grande estadista e militar rioplatense. Começou sua carreira militar durante as invasões inglesas na região do Rio da Prata. Teve uma atuação de extrema importância na Revolução de Maio e desempenhou o cargo de presidente da Primeira Junta das Províncias Unidas do Rio da Prata.

Joaquín de la Pezuela (1761-1830), o marquês de Viluma, nascido em uma família nobre de Naval na Espanha, emigrou para a América em 1803. Foi um grande defensor do regime monárquico, combatendo os movimentos pró Independência da época. Se tornou Vice-Rei do Peru em 1816 ocupando o cargo até 1821.

Não consta

Artigo do jornal “El Censor” do dia 2 de dezembro de 1818 relatando sobre o bom desempenho econômico dos EUA.

Ao final do século XVIII e início do século XIX, diversos fatores ajudaram a desencadear o processo de Independência dos países da América Espanhola. Com os desdobramentos das Guerras Napoleônicas, a Espanha acabou perdendo a soberania frente suas colônias. Simultaneamente, intelectuais latino-americanos, influenciados por ideias iluministas e pela independência dos Estados Unidos da América (1776), começaram uma série de movimentações buscando dar aos povos mais liberdade e igualdade e a partir de 1810 começaram a eclodir revoluções em toda a América Hispânica buscando a liberdade dos seus países.

Jornal El Censor

Artigo de Jornal da Gazeta de Buenos Aires do dia 2 de dezembro de 1818 contendo parte do ofício enviado por Juan Martín de Pueyrredón do dia 15 de novembro de 1818 com orientações para tomar medidas que expulsem das províncias os agentes de oposição. Contém também parte do ofício de Manuel Blanco y Encalada de 17 de novembro de 1818 enviado ao Ministro da Guerra e Marinha do Chile.

Juan Martín de Pueyrredón (1777-1850), militar e político argentino que atuou na tentativa de ocupação britânica em Buenos Aires em 1806 e pelo seu excelente desempenho foi convidado a ser representante de Buenos Aires na Espanha. De volta a Buenos Aires, participou das revoluções a favor da independência das províncias do Rio da Prata. Em 1815 exerceu o cargo de diretor supremo das Províncias Unidas do Rio da Prata.

Manuel Blanco y Encalada (1790-1876) nasceu em Buenos Aires, mas sua atuação política e militar ocorreu no Chile. Foi o primeiro presidente da República do Chile de forma provisória entre julho de 1826 e setembro de 1826. Exerceu os cargos de senador, deputado e comandante chefe da armada. Participou da Batalha de Maipu em 1818 pela libertação do Chile e contra o exército espanhol.

Não consta

Artigo Extraordinário da Gazeta de Buenos Aires do dia 3 de dezembro de 1818 transcrevendo um artigo da Gazeta Ministerial Extraordinária do Chile do dia 10 de novembro de 1818 com parte do ofício enviado de Manuel Blanco y Encalada (1790-1876) sobre a Batalha de Maipu. Contém também um relato do Porto de Valparaíso sobre a batalha entre esquadras.

Manuel Blanco y Encalada (1790-1876) nasceu em Buenos Aires, mas sua atuação política e militar ocorreu no Chile. Foi o primeiro presidente da República do Chile de forma provisória entre julho de 1826 e setembro de 1826. Exerceu os cargos de senador, deputado e comandante chefe da armada. Participou da Batalha de Maipu em 1818 pela libertação do Chile e contra o exército espanhol.

Manuel Blanco y Encalada (1790-1876)

Ata contendo pontos de uma conversa entre o ministro da Áustria com o senhor Miguel Calmon du Pin e Almeida (1794-1865) para por em conformidade todas as ordens, a abordagem feita pelo governo inglês e no Brasil sobre a gestão dos Príncipes de Bragança.

Miguel Calmon du Pin e Almeida (1794-1865), nasceu na vila Nossa Senhora da Purificação, hoje cidade de Santo Amaro, na Bahia. Era filho de José Gabriel de Almeida Calmon e Maria Germana de Souza Magalhães. Formou-se em direito pela Universidade de Coimbra em 1821 e retornou ao Brasil no auge do processo de independência. Integrou o conselho do governo provisório da província, instalado em setembro de 1822, na vila de Cachoeira, que reuniu as forças contrárias ao governo do lusitano Inácio Luís Madeira de Melo, fiel a Portugal. Proclamada a independência, foi deputado geral pela Bahia à Assembleia Geral Constituinte, dissolvida por D. Pedro I em 12 de novembro de 1823. Convocada a Assembleia Geral Legislativa, foi eleito deputado geral por quatro legislaturas (1826-1829), (1830-1833), (1834-1837) e (1838-1841), e senador pela província do Ceará (1840-1865). Assumiu diversos cargos na administração imperial, foi ministro e secretário das secretarias de Estado dos Negócios da Fazenda (1827-1829, 1837-1839 e 1841-1843) e dos Estrangeiros (1829-1830 e 1862-1864), e conselheiro de Estado (1843). Foi ministro plenipotenciário na Europa, tendo chefiado a missão que tentou obter apoio para uma intervenção militar no Prata, contra o ditador argentino João Manuel de Rosas (1844-1846). Recebeu o título de Visconde (1841) e Marquês de Abrantes (1854). Foi ainda membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro - IHGB em 1839, presidente da Imperial Academia de Música e Ópera Nacional (1857), presidente da Sociedade Auxiliadora da Indústria Nacional (1857), provedor da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro (1854), comissário do governo no Instituto dos Meninos Cegos e presidente da Comissão Promotora do Instituto dos Surdos-Mudos.

Wenzel Philipp Leopold (1784-1851)

Cópia da Ata do Congresso do Estado Cisplatino Oriental de 1 de agosto de 1821 assinada por Francisco Toribio Llambí (1788-1837), sobre a incorporação da província da Banda Oriental ao Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves.

Francisco Toribio Llambí (1788-1837), político uruguaio, exerceu o cargo de assessor do Cabildo de Montevidéu, foi um dos deputados do Congresso Cisplatino que decidiu pela incorporação da Província ao Reino de Portugal, Brasil e Algarves e foi ministro do governo e relações exteriores nomeado por Fructuoso Rivera em 1833.
Com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil no início do século XIX e o enfraquecimento do Império Espanhol, a região que na época era chamada de Banda Oriental (atualmente Uruguai) foi alvo de disputas entre as Províncias Unidas do Rio da Prata, agora independentes, e o Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Com o poderio militar mais forte, o exército português sitiou a região a partir de 1816, porém, somente em 1820 com a vitória na Batalha de Tacuarembó, legitimou-se a dominação da região pelo Império Português. Devido a volta de D. João VI a Portugal em 1821, ele pediu a Carlos Frederico Lecor, o Barão da Laguna, a convocação de uma assembleia com os com os representantes de todos os cabildos da Banda Oriental para que ocorresse um Congresso Extraordinário para decidir o destino da região por meio de eleições, dando-lhes as opções de serem anexados as Províncias Unidas do Rio da Prata, de voltarem a ser subordinados pelo Império Espanhol, optarem pela sua independência ou se fariam parte de fato do Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Para as elites comerciais da região, o monarquismo foi a opção preferencial não apenas para manter e aumentar o comércio trans imperial, mas também se manteve as instituições jurídicas e o status quo colonial, afastando o risco do projeto artiguista, impulsionando assim a autonomia de Montevidéu e da Banda Oriental em relação a Buenos Aires.

Juan Pedro González

Cópias de Atas de 18 de julho de 1821, 31 de julho de 1821 e 5 de agosto de 1821 da reunião do Congresso do Estado Cisplatino Oriental sobre a incorporação da província ao Reino de Portugal, Brasil e Algarves, assinada por Francisco Toribio Llambí (1788-1837).

Francisco Toribio Llambí (1788-1837), político uruguaio, exerceu o cargo de assessor do Cabildo de Montevidéu, foi um dos deputados do Congresso Cisplatino que decidiu pela incorporação da Província ao Reino de Portugal, Brasil e Algarves e foi ministro do governo e relações exteriores nomeado por Fructuoso Rivera em 1833.

Com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil no início do século XIX e o enfraquecimento do Império Espanhol, a região que na época era chamada de Banda Oriental (atualmente Uruguai) foi alvo de disputas entre as Províncias Unidas do Rio da Prata, agora independentes, e o Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Com o poderio militar mais forte, o exército português sitiou a região a partir de 1816, porém, somente em 1820 com a vitória na Batalha de Tacuarembó, legitimou-se a dominação da região pelo Império Português. Devido a volta de D. João VI a Portugal em 1821, ele pediu a Carlos Frederico Lecor, o Barão da Laguna, a convocação de uma assembleia com os com os representantes de todos os cabildos da Banda Oriental para que ocorresse um Congresso Extraordinário para decidir o destino da região por meio de eleições, dando-lhes as opções de serem anexados as Províncias Unidas do Rio da Prata, de voltarem a ser subordinados pelo Império Espanhol, optarem pela sua independência ou se fariam parte de fato do Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Para as elites comerciais da região, o monarquismo foi a opção preferencial não apenas para manter e aumentar o comércio trans imperial, mas também se manteve as instituições jurídicas e o status quo colonial, afastando o risco do projeto artiguista, impulsionando assim a autonomia de Montevidéu e da Banda Oriental em relação a Buenos Aires.

Francisco Toribio Llambí (1788-1837)

Ata de setembro de 1821 do Congresso Cisplatino sobre a incorporação da província a Monarquia Portuguesa, assinada por Manuel Lago, José Pereira da Terra, Juan Barengo e Pedro Antônio de Mier.

Com a chegada da Família Real Portuguesa ao Brasil no início do século XIX e o enfraquecimento do Império Espanhol, a região que na época era chamada de Banda Oriental (atualmente Uruguai) foi alvo de disputas entre as Províncias Unidas do Rio da Prata, agora independentes, e o Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Com o poderio militar mais forte, o exército português sitiou a região a partir de 1816, porém, somente em 1820 com a vitória na Batalha de Tacuarembó, legitimou-se a dominação da região pelo Império Português. Devido a volta de D. João VI a Portugal em 1821, ele pediu a Carlos Frederico Lecor, o Barão da Laguna, a convocação de uma assembleia com os com os representantes de todos os cabildos da Banda Oriental para que ocorresse um Congresso Extraordinário para decidir o destino da região por meio de eleições, dando-lhes as opções de serem anexados as Províncias Unidas do Rio da Prata, de voltarem a ser subordinados pelo Império Espanhol, optarem pela sua independência ou se fariam parte de fato do Reino de Portugal, Brasil e Algarves. Para as elites comerciais da região, o monarquismo foi a opção preferencial não apenas para manter e aumentar o comércio trans-imperial, mas também se manteve as instituições jurídicas e o status quo colonial, afastando o risco do projeto artiguista, impulsionando assim a autonomia de Montevidéu e da Banda Oriental em relação a Buenos Aires.

Felipe Dionísio Vasquez

Ata de 9 de junho de 1820 publicada por Manuel de Sarratea (1774-1849), Governador Interino da Província de Buenos Aires, relatando sobre a acusação do ex-deputado das Províncias unidas da Corte do Brasil sobre um possível crime que foi cometido pelo mesmo.

Manuel de Sarratea (1774-1849) estudou e viveu na Espanha por muitos anos e voltou a Buenos Aires para uma missão diplomática. Militar e diplomata argentino, era a favor do movimento independentista da época, participando da Revolução de Maio de 1810. Atuou como Governador de Buenos Aires, participou de uma missão diplomática em Londres e foi nomeado embaixador de Buenos Aires no Brasil e na França.

Manuel de Sarratea (1774-1849)

Ofício enviado por Jean-Baptiste Maler (s.d.) par Lemps, relatando modificações de membros na junta provisória após as últimas mudanças em Lisboa e que as normas do último decreto real foram efetuadas pelo Ministro, que expediu o artigo de número 31 com as novas demandas vindas de Lisboa. Comunica também que o Ministro Desembargador do Paço, Pedro Alves, foi substituído pelo Senhor Conde Dos Arcos (1771-1828) que desembarcou no navio que veio de Lisboa, na mesma embarcação que vieram dois eclesiásticos, dois magistrados, dois militares e um advogado.

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Marcos de Noronha e Brito (1771-1828), o Conde dos Arcos, nasceu no dia 7 de julho de 1771 em Lisboa, Portugal. No Brasil, entre 1803 e 1806, foi governador e capitão-general da capitania do Pará e Rio Branco. Foi governador e capitão da Bahia em 1809, foi um dos responsáveis por enfrentar uma insurreição de escravos muçulmanos em Salvador, além de ter lutado na Revolução de Pernambuco (1817) contra os rebeldes. Foi membro do conselho de regência e comendador da ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e de Santa Maria da Vila do Rei, na ordem de Cristo, além de ter sido empossado na pasta de ministro e secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar.

Jean-Baptiste Maler (s.d.)

Despacho enviado por Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846), em 28 de fevereiro de 1821, no qual faz referência à tradução de um ofício do Ministro de Relações Exteriores comunicando sobre a aceitação da nova Constituição em todas as vilas das províncias, principalmente as mais revoltosas e aguardando a chegada da Família Real e das tropas brasileiras para a manutenção da Constituição; solicitando também que acompanhem a família real, obedecendo aos decretos e os acordos para a permanência de Vossa Majestade e de sua família.

Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846), político e diplomata português, ingressou na carreira diplomática sendo nomeado secretário interino da embaixada portuguesa em Paris (cargo que não chegou a ocupar), secretário da delegação diplomática em Haia (1798), e oficial da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros em Berlim (1799). Veio para o Brasil em 1810, onde foi nomeado deputado da Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação. Também exerceu o cargo de secretário dos Negócios Estrangeiros e de Guerra e acompanhou o regresso de D. João VI em 1821 para Portugal.

Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846)

Boletins enviados em 26 e 27 de abril de 1821, comunicando sobre os últimos acontecimentos na regência do Governo provisório da Bahia. Sobre a troca do governo sob o comando do Barão de Quintella e embarcações que chegaram com despachos.

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Não consta

Despacho enviado por Jean-Baptiste Maler (s.d.) para Étienne Denis Pasquier (1767-1862), em 27 de abril de 1821, fazendo referência a uma tradução feita para a Gazeta na capital, relatando os últimos acontecimentos do mês. Diversos novos focos sobre a Revolução se espalham pelo Brasil colocando a capital em perigo, além disso, alguns adeptos da Constituição Espanhola estão desembarcando com destino as principais províncias. Assim é solicitada a vinda da Família Real para despachar as novas condições comerciais. É solicitado um novo orçamento para as tropas que estão muito desgastadas devido aos últimos embates. O senhor Luís Duprat relata o estreitamento da relação entre Lisboa e as cidades Francesas e que ainda é necessária a legalização para a exportação nos Estados Unidos, negociada pelo Senhor Macambra e o Senhor Nogueira. O Cônsul Maler ainda informa sobre o retorno do rei para a residência de Boa Vista. Assim as ordenanças para as tropas brasileiras já se encontram em efetivação, a difusão da constitu

Étienne Denis Pasquier (1767-1862), um político, nascido em Paris. Nomeado Barão do Império (1809) e prefeito de polícia (1810-1814), durante o reinado de Napoleão. Foi Guardião dos Selos (1815) durante a restauração Bourbon. Após a revolução de julho tornou-se presidente da Câmara dos Pares (1830-1848). Recebeu o título de Chanceler da França em 1837, e Duque de Pasquier em 1844. Em 1842, Pasquier foi eleito membro da Académie française. Faleceu em Paris.

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Jean-Baptiste Maler (s.d.);

Despacho enviado por Jean-Baptiste Maler (s.d.) para Étienne Denis Pasquier (1767-1862), em 27 de abril de 1821, comunicando a resposta de uma carta enviada pelo Cavaleiro Pinheiro, traduzida para o Imperador e o Corpo Diplomático, no concernente a uma audiência com a Família Real que desembarcará em alguns dias. Em seguida, são descriminadas as embarcações que trarão o rei, a rainha e suas crianças, os navios também trarão uma parte da tropa ao bordo, juntamente com a Família Real.

Étienne Denis Pasquier (1767-1862), um político, nascido em Paris. Nomeado Barão do Império (1809) e prefeito de polícia (1810-1814), durante o reinado de Napoleão. Foi Guardião dos Selos (1815) durante a restauração Bourbon. Após a revolução de julho tornou-se presidente da Câmara dos Pares (1830-1848). Recebeu o título de Chanceler da França em 1837, e Duque de Pasquier em 1844. Em 1842, Pasquier foi eleito membro da Académie française. Faleceu em Paris.

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Jean-Baptiste Maler (s.d.);

Despacho enviado por Lemps para Étienne Denis Pasquier (1767-1862), em 28 de abril de 1821, comunicando que é necessário que o Imperador tome ciência dos acontecimentos ocorridos em Lisboa, é solicitado que a distribuição do Boletim seja feita de maneira oficial tanto em território português quanto a chegada na Marina da Glória, na província do Rio de Janeiro. Assim, é solicitado que se produza um quarto Boletim, ato que já foi solicitado no despacho de nº 200.

Étienne Denis Pasquier (1767-1862), um político, nascido em Paris. Nomeado Barão do Império (1809) e prefeito de polícia (1810-1814), durante o reinado de Napoleão. Foi Guardião dos Selos (1815) durante a restauração Bourbon. Após a revolução de julho tornou-se presidente da Câmara dos Pares (1830-1848). Recebeu o título de Chanceler da França em 1837, e Duque de Pasquier em 1844. Em 1842, Pasquier foi eleito membro da Académie française. Faleceu em Paris.

Lemps

Ofício enviado por Lemps para Étienne Denis Pasquier (1767-1862), em 23 de maio de 1821, comunicando as novas notícias da Província para o Príncipe Real, informando sobre a Revolução estabelecida na província; solicita o envio de tropas para a proteção do solo e o envio de embarcações para permitir o transporte entre os Estados e a Europa. A família real encontra-se em viagem, chegando cedo a Lisboa. Informa que os portugueses em geral, aprovam a nova Constituição, assim o retorno da Vossa Majestade demonstrando um resultado feliz sobre a circulação das notícias da Revolução, mesmo que oposta a ordem atual. Assim, o mesmo sentimento age sobre a maioria, mas ainda ocorrem disputas nas províncias. Os interesses em torno do Brasil com Portugal, importando a segurança de Lisboa, o Rei foi comunicado sobre as manifestações em relação à independência. Assim, é solicitado a presença do Rei no Brasil.

Étienne Denis Pasquier (1767-1862), um político, nascido em Paris. Nomeado Barão do Império (1809) e prefeito de polícia (1810-1814), durante o reinado de Napoleão. Foi Guardião dos Selos (1815) durante a restauração Bourbon. Após a revolução de julho tornou-se presidente da Câmara dos Pares (1830-1848). Recebeu o título de Chanceler da França em 1837, e Duque de Pasquier em 1844. Em 1842, Pasquier foi eleito membro da Académie française. Faleceu em Paris.

Lemps

Ofício enviado em 30 de maio de 1821, comunicando que o navio português “La Caridade”, embarcou com os despachos, mas que não conseguiu acalmar a curiosidade pública. Informa também a chegada da gazeta inglesa, no dia 26 de maio de 1821, e as tentativas de distribuição dos exemplares no interior do Brasil. Nos primeiros dias de março, com a chegada do Senhor Targini e do Senhor Vicente de São Lourenço, trouxe algumas mudanças e resoluções sobre o novo decreto real, o decreto foi identificado por Jean-Baptiste Maler (s.d.). A embarcação portuguesa chegou à Lisboa no dia 28, trazendo uma carta endereçada ao Ministro, solicitando informar a respeito do príncipe e também da arquiduquesa Leopoldina. Conforme a ordem do Imperador, uma assembleia foi convocada no Brasil para acompanhar os desdobramentos da Constituição Portuguesa, com isso o Decreto foi registrado no diário em Lisboa.

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Lemps

Ofício enviado por Lemps, em 30 de maio de 1821, informando novas notícias ao Imperador e acusando recebimento dos últimos despachos, aos quais comunicam a presença da princesa real e da embarcação portuguesa em Lisboa; e sobre o boletim que trará detalhes sobre as decisões do regente relativo aos negócios do reino em Lisboa; e que todas as cópias do despacho e do diário foram enviadas a Jean-Baptiste Maler (s.d.).

Jean-Baptiste Maler (s.d.), foi cônsul-geral da França no Brasil entre 1816 e 1821. Antes de ser diplomata, serviu como soldado nas hostes contra revolucionárias, quando adquiriu patente militar. Viveu um período em Portugal, e voltou à França em 1814 para servir à Restauração Bourbon com Luís XVIII. Posteriormente, veio para o Brasil, Rio de Janeiro, onde correspondeu-se frequentemente com o Duque de Richelieu, chanceler da França, além de manter conversas constantes com D. João VI.

Lemps

Boletim nº16 de 07 de julho de 1821 comunicando que o navio Jean VI chegou ao Rio de Janeiro desembarcando autoridades eclesiásticas, decreto real reservados a Portugal, também desembarcaram o Senhor Fargini e Palmella, também é reportado as divisões de terra da província de Pernambuco, novas eleições que ocorrem na Bahia e o desembarque do corpo da Armada Nacional de Montevidéu, junto com Carlos Frederico Lecor (1764-1836), Barão de Laguna.

Carlos Frederico Lecor (1764-1836), Barão e posteriormente Visconde de Laguna, nasceu no Reino de Algarve e se naturalizou brasileiro. Considerado um importante militar com atuação assídua no processo de independência do Brasil. Nos primeiros anos de sua trajetória ele dedicou-se ao comércio, ingressando no exército luso em 1790. Com as invasões napoleónicas em Portugal, ele ainda compôs o exército português e auxiliou na vinda da Família Real para o Brasil. Com a expansão territorial de Portugal sobre as Américas, em 1680 os domínios de D. João chegaram ao Rio da Prata, inicialmente com a colônia de Sacramento e posteriormente com a anexação da Banda Oriental (atual Uruguai). Por auxiliar na expulsão dos ingleses e incorporar a região ao seu império, D. João VI colocou-o como governador da nova província nomeada como Cisplatina (1817-1826).

Não consta

Boletim enviado em 23 e 24 de novembro de 1821, relatando as últimas noticia do Rio de Janeiro e da Bahia, e que os representantes das duas capitanias estão mais tranquilos. Constata a autorização de envio das tropas, comandada pelo general Luís do Rego Barreto (1777-1840), autorizando o reforço de segurança da residência real; e a chegada à execução da independência no interior do Brasil. O Segundo ofício relata sobre a partida do Courvier e a chegada de novas notícias da independência recebidas em Pernambuco. Informa sobre a chegada de 300 homens para reforçar as tropas na Província de Pernambuco e que foi cumprido o último decreto de 9 de outubro.

Luís do Rego Barreto (1777-1840), conhecido como General Luís do Rego, foi militar e administrador Português. Em 1 de julho de 1817 foi nomeado por D. João VI, para governar Pernambuco e combater os simpatizantes e partidários da República. Em 1834 foi nomeado Governador das Armas do Minho e Vogal do Supremo Conselho de Justiça Militar. Em 1835 recebeu o título de 1º Visconde de Geraz de Lima pela D. Maria II.

Não consta

Boletim enviado em 1 de dezembro de 1821, informando sobre a necessidade da representação jurídica em acordo com a liberação brasileira; é informado que o Governador da Província, em nome do Conde dos Arcos (1771-1828) aguarda por respostas para continuar o procedimento na província. É informado sobre os desejos do príncipe regente juntamente ao Ministro Palmela (1781-1850) e sobre os últimos navios que chegaram a Pernambuco, informando sobre a proclamação da cidade, publicada por Luís do Rego Barreto (1777-1840) e a iminência da revolta.

Marcos de Noronha e Brito (1771-1828), o Conde dos Arcos, nasceu no dia 7 de julho de 1771 em Lisboa, Portugal. No Brasil, entre 1803 e 1806, foi governador e capitão-general da capitania do Pará e Rio Branco. Foi governador e capitão da Bahia em 1809, foi um dos responsáveis por enfrentar uma insurreição de escravos muçulmanos em Salvador, além de ter lutado na Revolução de Pernambuco (1817) contra os rebeldes. Foi membro do conselho de regência e comendador da ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa e de Santa Maria da Vila do Rei, na ordem de Cristo, além de ter sido empossado na pasta de ministro e secretário de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar.

Pedro de Sousa e Holstein (1781-1850), Conde de Palmela; Duque de Palmela e Marquês de Palmela, nasceu na Itália, estudou na Universidade de Coimbra e ingressou no exército português em 1796. Seguiu os passos de seu pai, que era embaixador de Portugal em Roma e seguiu na carreira diplomática. Desempenhou o cargo de ministro plenipotenciário em Madrid e foi ministro extraordinário em Londres a mando do Príncipe Regente, D. João VI. Em 1820 assumiu o cargo de secretário dos Negócios Estrangeiros e da Guerra e em 1823 tornou-se ministro da mesma secretaria. Retornou a Londres, onde desempenhou diversos cargos como: presidente do Conselho de Ministros, ministro dos Negócios Estrangeiros, embaixador de Portugal em Londres, senador e presidente da Câmara.

Luís do Rego Barreto (1777-1840), conhecido como General Luís do Rego, foi militar e administrador Português. Em 1 de julho de 1817 foi nomeado por D. João VI, para governar Pernambuco e combater os simpatizantes e partidários da República. Em 1834 foi nomeado Governador das Armas do Minho e Vogal do Supremo Conselho de Justiça Militar. Em 1835 recebeu o título de 1º Visconde de Geraz de Lima pela D. Maria II.

Não consta

Boletim enviado em 8 de dezembro de 1821, comunicando sobre os efeitos da constituição colocada em julgamento por Maciel Pomte, enviado da Província do Pará, solicitando uma audiência com o Imperador e a presença do Poder Executivo. Informa também sobre os problemas de armamento para a segurança das tropas das províncias, principalmente na metrópole e as diversas disputas que ocorreram na Província de Pernambuco. Reforça sobre a chegada de uma embarcação que será recebida pelo General Luís do Rego Barreto (1777-1840); solicita comunicação com o Vice-Cônsul da França; comunicando que uma segunda expedição será enviada para Lisboa, sob a ordem do Príncipe Regente.

Luís do Rego Barreto (1777-1840), conhecido como General Luís do Rego, foi militar e administrador Português. Em 1 de julho de 1817 foi nomeado por D. João VI, para governar Pernambuco e combater os simpatizantes e partidários da República. Em 1834 foi nomeado Governador das Armas do Minho e Vogal do Supremo Conselho de Justiça Militar. Em 1835 recebeu o título de 1º Visconde de Geraz de Lima pela D. Maria II.

Não consta.

Carta de Perdão do Governador da Guiana Francesa Louis Thomas Jacau de Fiedmond (1723 - 1788) em favor de escravos fugitivos de Cayenne que serão devolvidos ao Capitão de Infantaria Albanel, datada em 14 de julho de 1767.

Louis-Thomas Jacau de Fiedmont (1723 - 1788) era um oficial de artilharia canadense. Ele ingressou no exército francês como suboficial e tornou-se cadete em 1743. Ao viajar para a França, em 1747, foi capturado pelos britânicos. Após ser libertado, em 1748, recebeu uma promoção sendo elevado à alferes e retornou ao Canadá em 1750. Em 1753 foi promovido a tenente e recebeu o comando da artilharia em Acádia. Em 1757 foi condecorado a capitão. Em 1760 tornou-se cavaleiro da Ordem de São Luís. Em 1762 Jacau, já promovido a tenente-coronel, foi enviado para a Guiana Francesa e em 1765 o nomearam governador daquela colônia – Caiena. Fiedmont recebeu mais duas promoções, a de brigadeiro de infantaria em 1769 e a de major-general em 1780. Como governador, ele seguiu uma política de encorajar os franco-canadenses que haviam fugido dos britânicos a se estabelecerem na Guiana Francesa. Seu nome também pode aparecer com as seguintes variações: Jacault de Fiedmont ou Jacob Fiedmont.

Louis Thomas Jacau de Fiedmond (1723 - 1788)

Carta encaminhada ao governador da Capitania de São José do Rio Negro, Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1701-1769), informando a necessidade de reparos em igrejas na vila de Barcelos e Capitania de São José do Rio Negro, datada em 20 de dezembro de 1766 no Pará.

Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1701-1769), era governador Geral do Pará e Maranhão de 1751-1759, fundador das Cidades de Soure e São Domingos do Capim no Pará; instalou a Capitania de São José do Rio Negro que foi criada por D. José I com a carta-régia de março de 1755 a fim de facilitar a administração portuguesa na Amazônia. Em 1758, Francisco conseguiu a permissão da corte portuguesa para transformar o povoado de Macapá em vila, além de ajudar com recursos na construção da Igreja de São José, e instalar os poderes Legislativo e Judiciário na capital amapaense.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1701-1769)

Carta com resposta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho sobre o pedido de remédios para enfermos, demolição ou reparo do palácio antigo e inaptidão do soldado Victorino Gomes da Silva para a função de escrivão da ouvidoria, datado em 27 de maio de 1767 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho sobre a carta do dia 27 de junho contendo diferentes matérias de grave importância sobre a sobrevivência da capitania, citando a mais prejudicial delas o progresso do comercio de seus moradores faltando-lhes os meios de sua subsistência.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Correspondência encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho sobre a chegada do novo Ouvidor Lourenço Pereira da Costa a Capitania de São José do Rio Negro; Falta de novidades das cartas de Francisco Fernandes Bovadilha e do Tenente Barnabé Pereira Malheiros; Execução da nova planta do armazém; Assentamento de mamalucos praça de soldado; Aceitação dos requerimentos de Francisco de Souza e Azevedo e Antônio Roiz Vieira, Datado em 23 de setembro de 1767 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho sobre a chegada de provisões para o reparo das fortificações da capitania de São José do Rio Negro e a falta de Cabos e Sargentos veteranos, datado em 24 de setembro de 1767 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho solicitando a quantidade de canoas para provisionamento do Armazém que será responsabilidade do Sargento de Auxiliar José Antônio Freire Évora, datado em 24 de setembro de 1767 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho sobre o envio de fardelas e cobrança de Sapatos e meias para a tropa destacada; ida da tenda do ferreiro solicitado pelo Ouvidor Lourenço Pereira da Costa, datada em 02 de outubro de 1767 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta encaminhada ao Mestre de Campo Marcos José Monteiro de Carvalho e Veiga Coelho notificando o envio de 4 meses de soldo ao destacamento em nome do Capitão Ignácio Soares de Almeida. Também informa sobre punição do detido Alferes José Agostinho Diniz, datada em 19 de abril de 1768 no Pará.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta informando o envio de cópias de respostas encaminhadas ao Governador da Capitania de São José do Rio Negro, Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1701-1769) sobre a necessidade de reedificar os quarteis em Barcellos, armazéns reais e demolição da casa da residência dos governadores, datado em 02 de Julho de 1768 no Pará.

Francisco Xavier de Mendonça Furtado (1701-1769), era governador Geral do Pará e Maranhão de 1751-1759, fundador das Cidades de Soure e São Domingos do Capim no Pará; instalou a Capitania de São José do Rio Negro que foi criada por D. José I com a carta-régia de março de 1755 a fim de facilitar a administração portuguesa na Amazônia. Em 1758, Francisco conseguiu a permissão da corte portuguesa para transformar o povoado de Macapá em vila, além de ajudar com recursos na construção da Igreja de São José, e instalar os poderes Legislativo e Judiciário na capital amapaense.
Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778), foi governador e Capitão do Pará e Maranhão, tomou posse do Governo em Belém, sucedendo o governador Bernardo de Mello e Castro; Recebeu os imigrantes da cidade de Mazagão de Marrocos para fundar uma vila no Pará com o mesmo nome para garantir a soberania no local. Foi destituído do cargo em 1772 sob acusações de falhas administrativas.

Fernando da Costa de Ataíde e Teive (1729-1778)

Carta de Joaquim de Oliveira Alvares (1776 – 1835) informando da iminência de invasão do País por coalizão estrangeira que ameaça os estados portugueses e faz um parecer sobre como atuar em caso de invasão, datado em 28 de janeiro de 1822 no Rio de Janeiro.

Joaquim de Oliveira Álvares (1776-1835), brigadeiro do Exército comandou as forças de artilharia da Capitania do Rio Grande contra Artigas, na batalha de Carumbé em 27 de outubro de 1816. Seu nome pode aparecer na seguinte variação: Joaquim D’Oliveira Alvarez.

Joaquim de Oliveira Alvares (1776 – 1835)

Carta ao Imperador de Portugal, Brasil e Algarves, D. João VI (1767-1826), agradecendo e elogiando o mesmo por seus feitos, governança cuidados e desenvolvimento do Brasil e de seus vassalos.

João Maria José Francisco Xavier de Paula Luís Antônio Domingos Rafael (1767-1826), D. João VI, nasceu no Palácio Real da Ajuda, localizado próximo a Lisboa. Era o quarto filho de D. Maria e de D. Pedro III. A entrada na vida política se iniciou com o casamento, na forma de uma política de aproximação com a Espanha, uma dupla aliança dinástica, realizada em 8 de maio de 1785, com Carlota Joaquina, quarta filha do Rei Carlos IV de Espanha. Até 1792, data de início da regência em nome de D. Maria I, impossibilitada do governo por estar acometida por demência, usufruiu de honras e deveres de ser o herdeiro da Coroa, sendo aos poucos iniciado nas tarefas governativas. Em julho de 1799, D. João torna-se oficialmente Príncipe Regente de Portugal. Em 24 de novembro de 1807, o Conselho de Estado português, presidido pelo Príncipe Regente, decide transferir a Corte para o Brasil. Em 27 de novembro de 1807, D. João e a Corte embarcam para o Brasil, mas a frota parte somente dois dias depois, chegando somente em 28 de janeiro de 1808. Como primeiro ato em terras brasileiras, D. João assinou a carta régia que abre os portos brasileiros ao comércio com nações aliadas. Em junho de 1815, D. João ratifica o tratado assinado com a Inglaterra em Viena, em 20 de janeiro, no qual foi acordado o fim gradual do tráfico de escravos. Em 6 de fevereiro de 1818, D. João VI é coroado rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, durante cerimônia de aclamação no Rio de Janeiro. Em 22 de abril de 1821, D. João VI nomeia D. Pedro como Príncipe Regente do Brasil.

Não consta

Cópia da carta de 17 de janeiro de 1812, de Rodrigo Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1755-1812), Conde de Linhares, a Thomas Sumter, ministro plenipotenciário dos Estados Unidos da América, abordando dentre outros assuntos, as cartas confidenciais de Percy Smythe (1780-1855), Lord Strangford

Rodrigo Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1755-1812), o Conde de Linhares, nasceu em Portugal e estudou a carreira jurídica na Universidade de Coimbra. Atuou como diplomata, exercendo o cargo de ministro em Turim em 1779. Assumiu em 1796 a secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Domínios Ultramarinos e em 1801 obteve o cargo de secretário dos Negócios da Fazenda. Nomeado para a secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Guerra, teve importante atuação na anexação da província da Cisplatina ao reino de Portugal.

Percy Smythe (1780-1855), Visconde ou Lorde Strangford, foi diplomata irlandês que atuou como embaixador do Reino Unido da Grã Bretanha e Irlanda em Lisboa. Veio para o Brasil junto com a Corte Portuguesa no contexto das invasões napoleônicas.

Rodrigo Domingos Antônio de Sousa Coutinho (1755-1812)

Carta do Barão de Sturence para Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846) informando que acaba de receber a correspondência e pede desculpas por não ter podido responder, datado em 22 de março de 1821.

Silvestre Pinheiro Ferreira (1769-1846), político e diplomata português, ingressou na carreira diplomática sendo nomeado secretário interino da embaixada portuguesa em Paris (cargo que não chegou a ocupar), secretário da delegação diplomática em Haia (1798), e oficial da Secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros em Berlim (1799). Veio para o Brasil em 1810, onde foi nomeado deputado da Real Junta do Comércio, Agricultura, Fábricas e Navegação. Também exerceu o cargo de secretário dos Negócios Estrangeiros e de Guerra e acompanhou o regresso de D. João VI em 1821 para Portugal.

Não consta

Resultados 1 a 50 de 650